-_-

A Silvia Duprat, Lúcia Campos, António Rosa
minha gratidão pelo amparo a este trabalho.

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Identificando os sinais II

Por exemplo... Se estamos com receio de estar doentes, logo surgirá em nossa vida, alguém a nos sinalizar a respeito disso. Logo aparecerá alguma pessoa relatando um caso grave de doença que nos colocará internamente em pânico com respeito à nossa dúvida. Este é um típico sinal.
Se nos mantivermos conscientes destes sinais, ao invés de entrarmos em pânico, devemos agradecer a nós mesmos pela migalha posta no caminho para nos ajudar a lembrar a saída para nossos desafios.
Como agir neste exemplo?
Dizendo:
“Isto é um sinal. Se eu confirmá-lo com minha apreensão, corro um sério risco de manifestar e materializar aquela doença”.
Este é um exemplo muito simples de um sinal. Dia a dia, durante toda nossa permanência em 3ª. Dimensão, nos deparamos constantemente com sinais. E eles não servem apenas para iluminar o caminho de nossos desafios. Servem também para nos alertar sobre momentos decisivos ou nos avisar sobre mudanças de rota no enredo de nossa vida, entre outros.
Todos os sinais são sempre bem-vindos. Eles são inúmeros, durante nossa existência tridimensional. Todos os sinais são fontes amigas de informação... porque, afinal... foram postos ali por nós mesmos.
Ao aprendermos a lê-los, nossa passagem pelo enredo da 3ª Dimensão se torna mais fácil.
“Agradecer é sempre um bom caminho para integrar o que estamos experimentando em 3ª Dimensão, com o que Eu Sou”.
(continua...)

4 comentários:

marcelo dalla disse...

Como disse Carlos Castaneda: "Fatos externos confirmam ou advertem o tempo todo".

adriana disse...

:)

ONG ALERTA disse...

O maior problema é que as pessoas não estão preparadas para receber e interpretar os sinais, mas tudo ao seu tempo e paz.

adriana disse...

Sim, Querida
"Tudo ao seu tempo e paz".